Guia definitivo para o ensino de inglês na Coréia

0
377

* Este artigo tem uma leitura de 25 a 30 minutos, mas fornece TUDO você precisa saber sobre o ensino de inglês na Coréia do Sul e a adaptação à vida coreana. Passei várias semanas escrevendo isso e estou confiante de que possui as melhores informações on-line.

Ensinei inglês na Coréia do Sul por 18 meses – de agosto de 2013 a fevereiro de 2015 – e foi a melhor experiência da minha vida. *

Originalmente, eu ia fazer deste um e-book e cobrar US $ 20, mas decidi compartilhar tudo de graça porque eu amo vocês e quero que todos tenham uma experiência incrível como a minha.

A melhor maneira de você me pagar é comprando seu Aula TEFL neste link, porque eu faço uma pequena comissão sem nenhum custo adicional para você. A aula é ministrada por uma empresa chamada myTEFL, e posso garantir que é a melhor e mais acessível aula de TEFL que você pode encontrar on-line. A comissão que eu faço irá diretamente para melhorar meu site 🙂

Use o código de desconto “DREW” e ganhe 35% de desconto, assim o curso custará cerca de US $ 195!

E, como sempre, não hesite em entrar em contato comigo se tiver alguma dúvida!

Introdução

Ensinar inglês na Coréia do Sul foi a melhor decisão da minha vida. É uma das experiências de vida mais aventureiras e únicas que qualquer pessoa pode fazer por si mesma. Eu recomendo o ensino na Coréia para qualquer pessoa que atenda aos requisitos básicos (mais sobre isso mais tarde).

Mesmo além do aspecto de ensino, o estilo de vida na Coréia é uma experiência fantástica e surpreendente. Há muito o que aprender sobre o mundo quando você se depara com uma cultura do leste asiático em ritmo acelerado e com muita tecnologia, como a Coréia.

Nos últimos meses, como meu blog de viagens quase triplicou no tráfego, minha caixa de entrada de e-mails foi inundada com perguntas sobre o ensino de inglês na Coréia.

Como posso ensinar na Coréia? Quais são os requisitos? O trabalho é difícil? Posso ganhar dinheiro suficiente para viajar pela Ásia?

Decidi escrever este guia para responder a todas as suas perguntas e dizer a você tudo que você precisa saber sobre o ensino de inglês na Coréia do Sul para aproveitar ao máximo sua experiência. Eu uso uma combinação de meus conhecimentos, pesquisei on-line e até entrevistei professores de inglês atuais para fornecer o pacote completo do início ao fim. Este guia é tão útil que eu gostaria de ter uma cópia antes de começar a ensinar! Eu farei o meu melhor para mantê-lo atualizado com informações precisas por anos adiante.

Enquanto escrevo isso, estou no meu 18º e último mês de vida e ensino de inglês na Coréia. Decidi me mudar para cá apenas 2 meses depois de me formar na Universidade de Wisconsin, quando meu amigo me contou sobre a oportunidade de emprego. Eu imediatamente solicitei e fui aceito na semana seguinte sem pensar muito. Eu sempre soube que queria viajar pela Ásia e esse trabalho era o portal perfeito para realizar meus sonhos.

Antes de me aprofundar em mais detalhes, é importante estar ciente do fato de que o governo coreano vem cortando empregos de professor como fogo nos últimos anos. Embora ainda exista uma grande demanda por professores nativos de língua inglesa, o governo aparentemente captou os benefícios excessivamente generosos e o estilo de vida impressionante que jovens estrangeiros (como eu) estavam tendo na Coréia. Dito isto, ainda existem muitas fontes que o ajudarão a encontrar um emprego como professor se você atender aos requisitos, portanto, não se preocupe!

Depois de ler este post, você estará pronto para reservar seu voo para a Coréia e iniciar um novo e emocionante capítulo em sua vida 🙂

Vamos começar.

A seguir, é apresentada uma visão geral das 13 categorias que abordarei:

1. Escolas Públicas vs. Escolas Privadas
2. Qualificação e Requisitos do Trabalho
3. Como encontrar um emprego
4. Contratos, Benefícios e Pagamentos
5. Como planejar lições
6. Após a chegada na Coréia
7. Minha experiência pessoal
8. Vida na Coréia
9. Cultura coreana
10. Vida noturna em Seul
11. Recursos
12. Meu conselho para você
13. O que levar?
14. Entrevistas com professores atuais

1 Escolas Públicas vs. Privadas

-> Esta é a coisa mais importante que vou lhe dizer neste guia. <-

Ensinar em uma escola pública é completamente diferente do que ensinar em uma escola particular … Então ouça com atenção!

* Trabalhos em escolas públicas são MUITO MELHORES que trabalhos em escolas particulares *

Qual é a diferença?

Escolas particulares (chamado hagwans em coreano) são academias de propriedade e administração privadas. Eles geralmente têm aulas de 5 a 15 crianças, e você será acompanhado por vários outros professores estrangeiros em sua escola. A carga de trabalho é muito maior e os benefícios são muito piores que as escolas públicas.

Escolas públicas pertencem ao governo e são semelhantes a qualquer escola pública nos EUA. As turmas típicas são de 30 a 40 crianças. As escolas públicas geralmente contratam apenas 1 falante nativo de inglês para ensinar em toda a escola.

Ao comparar os dois juntos, as escolas particulares têm regras mais rígidas, mais horas de trabalho, piores benefícios, férias mais curtas e uma carga de trabalho muito maior, em oposição aos shows nas escolas públicas. E o salário inicial para o público e o privado é praticamente o mesmo.

Eu conheci centenas de professores de inglês desde que estive na Coréia e tenho nunca ouvi falar de uma única pessoa que gosta de trabalhar em uma escola particular. Eles são os que estão constantemente estressando suas vidas, reclamando todos os dias sobre o quão exigentes são suas escolas e como elas não têm férias.

Por outro lado, a maioria das pessoas que eu conheci em escolas públicas (inclusive eu) absolutamente ama!

Além disso, a maioria das pessoas que conheço em hagwans (privado) estão lá apenas porque não sabiam a diferença entre os dois trabalhos quando se candidataram originalmente. Estou escrevendo este post para que você não seja uma dessas pessoas sem noção!

Então, caso ainda não tenha esclarecido o suficiente … Você quer encontrar um emprego em uma escola pública, a menos que você queira férias zero e muita pressão no seu trabalho. Confie em mim, assim você ficará muito mais feliz na Coréia.

* Observe que todos os empregos em escolas públicas variam um pouco entre si, dependendo da severidade de seus diretores e professores. Algumas escolas oferecem aulas extras para ensinar, outras permitem que você tenha mais dias de férias e outras que fazem com que você planeje mais as aulas. É uma sorte do sorteio, mas de um modo geral, os principais benefícios são os mesmos.

O restante das informações deste guia se concentrará apenas em empregos em escolas públicas. Portanto, se você quiser ajuda para encontrar um emprego em uma escola particular (que eu não sei por que você o consideraria), precisará procurar em outro lugar.

2. Qualificação e Requisitos do Trabalho

Para ensinar em uma escola pública na Coréia, você deve atender a 3 requisitos básicos:
– Carregar passaporte de um país de língua inglesa
– Ter um diploma de bacharel em uma universidade de mais de 3 anos
– Arranje um TEFL certificado para ser um professor certificado

É isso aí. Você não precisa falar coreano ou ter experiência anterior em ensino.

Embora aprender coreano seja uma boa ideia. Eu quase me tornei fluente e foi um imensobenefício para o meu estilo de vida na Coréia. Minha experiência não seria a mesma se eu não tentasse aprender o idioma … eu pessoalmente recomendo usar Beeline Language para aprender coreano – é um ótimo curso on-line, acessível e intuitivo!

A seguir, explicarei cada requisito em detalhes:

a) Você deve portar um passaporte de um país de língua inglesa

Esses países incluem: EUA, Canadá, Austrália, Nova Zelândia, Grã-Bretanha, Escócia, Irlanda, País de Gales, Irlanda do Norte, África do Sul, Nigéria e qualquer outro país em que o inglês seja o primeiro idioma.

Infelizmente, mesmo que você seja 100% fluente em inglês, mas não tenha passaporte de um desses países, não poderá obter um contrato de trabalho em uma escola pública. No entanto, existem várias outras oportunidades para ensinar na Coréia, como ser um tutor privado ou trabalhando shows depois da escola. Esses trabalhos são mais arriscados, porque você terá que encontrar seus próprios clientes, providenciar moradia por conta própria e encontrar uma maneira de obter um visto de trabalho. Mas você pode cobrar até US $ 60,00 por hora como professor particular e acabar ganhando ainda mais dinheiro do que com um trabalho contratado em uma escola pública.

b) Você deve ter um diploma de bacharel em uma universidade de mais de 3 anos.

É simples assim. Você deve provar que possui um diploma de bacharel de uma universidade com mais de 3 anos para se qualificar. Qualquer bacharel funciona! (Meu diploma é em economia …)

Se você tem um diploma de inglês ou de ensino, pode estar isento do nº 3 nesta lista (abaixo).

c) Você deve obter um certificado TEFL de mais de 100 horas.

TEFL = Ensine inglês como língua estrangeira. Você deve ter um desses certificados para poder dar aulas e pode ser adquirido participando de uma aula on-line que fornece as habilidades e o treinamento necessários para ser um professor eficaz e encontrar uma posição de professor.

A classe TEFL custa entre US $ 1500 e US $ 1.200. A classe deve ser rotulada como 100 (ou mais) horas, por isso levará algumas semanas para terminar. Mesmo rotulado como 100 horas, a quantidade de trabalho é realmente mais do que 50 horas.

A aula de TEFL é extremamente fácil se o inglês é sua língua materna ou se você é fluente. Basicamente, você lerá vários capítulos sobre gramática, estrutura de sentenças, vocabulário etc., e fará mini-testes no final. Você também deverá escrever ensaios no final de cada capítulo e enviá-los a um AT que avaliará seu trabalho e fornecerá feedback.

* Observe que existem muitas empresas online de TEFL que o enganarão. * Então, eu recomendo conferir uma empresa chamada myTEFL– eles oferecem um certificado TEFL muito acessível e é uma das classes mais conceituadas que você pode encontrar on-line!

3. Como encontrar um emprego

Supondo que você atenda a todos os requisitos do item 2, existem várias maneiras de encontrar shows de ensino na Coréia.

Mas primeiro, confira este artigo útil da Go Overseas, que explica mais detalhadamente como encontrar emprego na Coréia!

No meu caso pessoal, tive a sorte de minha universidade (Wisconsin) ter um programa de afiliados com um recrutador na Coréia, então me inscrevi diretamente na minha escola. Mas suponho que a maioria de vocês não tenha essa opção da sua universidade, portanto precisará usar um método alternativo para encontrar empregos.

A seguir, descreverei todas as maneiras pelas quais você pode encontrar um emprego em uma escola pública.

a) EPIK & GEPIK

EPIK & GEPIK são os dois maiores recrutadores para empregos em escolas públicas na Coréia. Sua primeira prioridade deve ser conseguir um emprego com eles, porque eles são os melhores!

O acrônimo de E.P.I.K. significa Programa de Inglês na Coréia e G.E.P.I.K. é o programa de inglês Gyeonggi-do na Coréia.

As duas empresas têm praticamente o mesmo contrato. A única diferença é que eles oferecem empregos em diferentes áreas da Coréia.

O EPIK oferece oportunidades de ensino em 15 cidades e províncias metropolitanas da Coréia, incluindo Seul, Busan, Daegu, Incheon, Gwangju, Daejeon, Ulsan, Jeju e Gangwondo. Então, basicamente, o EPIK fornece empregos em todo o país, exceto na província de Gyeonggi-do.

Por outro lado, o GEPIK apenas oferece empregos na província de Gyeonggi-do, que é a província mais populosa da Coréia, com 13 milhões de pessoas. Está localizado nos arredores de Seul. Meu trabalho atual é fornecido com o GEPIK.

Com os contratos EPIK e GEPIK, você não tem permissão para escolher qual nota você receberá (ensino fundamental, ensino médio). No entanto, você pode solicitar sua melhor opção, mas não é uma garantia de que você a receberá.

O mesmo acontece com a cidade ou escola em que você será colocado. Você pode sugerir suas melhores opções para viver e ensinar, mas não é uma garantia, porque se houver apenas um lugar aberto, eles o preencherão com esse trabalho. Mas não se preocupe, porque o transporte público na Coréia é o mais eficiente do mundo para que você possa se locomover facilmente.

b) Recrutadores privados

Há toneladas de recrutadores particulares que podem te ajudar com empregos na Coréia. Dizem que eles estão cortando mais empregos a cada ano, mas pense de maneira otimista, porque sempre há uma maneira de dar certo!

Os recrutadores privados mais populares e confiáveis ​​com os quais estou familiarizado são Teach ESL, Korvia, Gone 2 Korea, Hands Korea, Work N Playe Serviços de recrutamento da Morgan. Se você se inscrever em todos eles, garanto que você encontrará uma vaga.

Há também um tópico em Café ESL de Dave, onde as pessoas postam vagas em toda a Coréia e você pode se inscrever diretamente lá.

c) Boca a boca

Se você já conhece um professor que atualmente leciona e está prestes a sair, geralmente pode organizar a posição deles.

d) Publicar em grupos do Facebook

Existem toneladas de grupos no Facebook que lidam especificamente com o ensino de inglês na Coréia. Poste uma pergunta lá e obtenha feedback instantâneo!

Aqui estão alguns bons grupos para postar:
Empregos públicos em Gyeonggi-do
Professores de inglês na Coréia do Sul
Korvia GEPIK
Professores GEPIK
Teach ESL Korea

e) fale comigo!

Como último recurso, entre em contato comigo e eu provavelmente posso colocá-lo em contato com a pessoa certa. Lembre-se, eu estou sempre aqui para ajudá-lo e esse é o meu motivo para escrever este artigo!

4. Contratos, Benefícios e Pagamentos

Ah ~ o momento em que todos estavam esperando!

O que está dentro do seu contrato? Quanto você recebe? Quais são todos esses benefícios incríveis que você pode obter? Me diga mais!

um contrato

É isso que diferencia a Coréia do resto do mundo no que diz respeito ao ensino de inglês. O pagamento + benefícios do ensino na Coréia é melhor do que em qualquer outro lugar do mundo. Existem alguns países no Oriente Médio que pagar Mais que a Coréia (Arábia Saudita, Omã, Kuwait, Catar), mas o benefícios e estilo de vida morar em uma cidade remota do Oriente Médio não é nada comparado a morar na Coréia.

Na Coréia, a maioria dos contratos de escolas públicas iniciantes tem os mesmos salários e benefícios. Os contatos têm cerca de 50 páginas, com escrita em coreano e inglês. Você precisará assinar a parte inferior de todas as páginas, reconhecendo que entende e aceita todas as informações do contrato.

Todo contrato é de 365 dias – nem mais nem menos. Se você quiser ficar mais tempo e sua escola gostar de você, terá a chance de assinar novamente no final do seu mandato. Você pode ter sorte se a escola lhe oferecer uma extensão de 6 meses (aconteceu comigo), mas isso não é muito comum.

Todos os contratos garantem que você tenha um co-professor coreano ao seu lado o tempo todo na sala de aula. Eles estão lá para ajudar com disciplina, segurança e tradução sempre que necessário. Tive 4 co-professores diferentes que deram aulas diferentes comigo. Alguns foram úteis e outros não disseram uma palavra na aula. Tudo depende.

Além disso, é provável que seus alunos vejam sua aula de inglês como uma “aula bônus”, porque eles já fazem uma aula de inglês normal com um professor coreano. Por isso, felizmente, nunca se espera que você prepare testes ou notas de lição de casa. Mas a má notícia é que as crianças tendem a brincar mais em sua classe porque é “divertido”, então você terá que lidar com mais questões disciplinares.

b) Benefícios

Aqui estão os principais benefícios do seu contrato:

1) Reembolsos de voo para E da Coréia
2) 18-25 dias de férias PAGOS por ano (depende da sua escola)
3) Aluguel gratuito em um local a uma curta distância de sua escola (totalmente mobiliado)
4) Sem impostos (isso pode não se aplicar ao seu país, mas para cidadãos dos EUA você não é tributado)
5) Bônus de final de ano (igual a um salário)
6) Seguro de Saúde
7) Pensões
8) Visto para morar e trabalhar na Coréia
9) 10 dias de doença pagos (varia de acordo com cada escola)
10) Almoços grátis na escola (algumas escolas recebem US $ 1-2 por refeição do seu salário).

* Observe que alguns benefícios dependem da sua escola. Minha escola era muito branda quando se tratava de férias, e outras pessoas que eu conhecia tinham uma programação mais rígida. Mas, de um modo geral, você terá direito a todos esses benefícios.

c) Pagamentos

O salário inicial para a maioria dos empregos nas escolas públicas é de apenas US $ 2.000 por mês. Não parece muito, mas lembre-se de que este é um sólido $ 2.000 isso entra no seu bolso todos os meses, porque você tem despesas praticamente ZERO, isenta de impostos e o padrão de vida na Coréia é relativamente barato. Mais ou menos, você pode viver como um rei (ou rainha) com essa quantidade de dinheiro.

Só para você ter uma idéia do que quero dizer com viver como um rei … No meu primeiro ano de ensino, eu tinha dinheiro suficiente para comer fora 5 dias por semana, enfurecer-me em clubes em Gangnam todo fim de semana e viajar para 12 novos países. Não economizei muito, mas esse dinheiro foi derivado 100% do meu salário.

Algumas pessoas vêm para a Coréia com a intenção de economizar dinheiro e outras apenas para viajar pelo mundo. Conheço algumas pessoas que economizaram US $ 14 mil em um ano vivendo extremamente frugalmente e não deixando a Coréia. Mas outros como eu gastam tudo se divertindo e viajando para vários lugares novos.

E quando você pensa sobre isso, um salário de US $ 24 mil em ensino na Coréia é tão bom ou melhor do que seus amigos que estão fazendo US $ 60 mil em empregos corporativos em Nova York ou Londres e pagando US $ 1.500 por aluguel mensal e US $ 15 por um coquetel em um bar. E o estilo de vida deles não é comparável ao que será o seu.

Acredite em mim neste 😉

5. Como planejar lições

Algumas escolas públicas oferecem um livro para você seguir e outras (como minha escola) esperam que você crie suas próprias lições do zero. Ambos têm seus próprios prós e contras.

Para livros didáticos, não posso dar nenhum conselho, porque você deve seguir o que o livro diz. Mas se você fizer suas próprias lições (que muitos de vocês farão), existem ótimos recursos on-line onde todos os professores de inglês na Coréia postam idéias e compartilham seus materiais.

O site que literalmente salvou minha vida é chamado Waygook.org. É um site baseado em fórum, no qual todos os professores na Coréia enviam seus planos de aula – como powerpoints, planilhas, modelos de jogos e idéias. É um lugar para colaborar e compartilhar idéias com outros professores. Você pode postar qualquer pergunta nos fóruns e obter respostas imediatamente. Eu baixei 75% dos meus powerpoints e materiais neste site, e meus professores ficaram completamente impressionados com o “trabalho” que coloquei no planejamento das aulas. É essencial.

6. Após a chegada na Coréia

Ao chegar no Aeroporto Internacional de Incheon, você será recebido pelo seu professor e ele o levará para sua nova casa. Você receberá um subsídio de cerca de US $ 300 USD para se instalar no seu novo local (doce!)

Nos primeiros dias após a chegada, você deve fazer um exame de saúde e fazer um teste de drogas em um hospital próximo. Então sim, isso significa que você deve parar de fumar maconha sobre 3ish semanas antes de vir para a Coréia, para não falhar no teste de drogas e ser enviado de volta para casa …

Depois de alguns dias superando o jet lag e o choque cultural, você aparecerá na escola e começará a ensinar. Honestamente, a primeira semana é intimidadora, porque tudo é tão novo e confuso, mas prometo que você se estabelecerá rapidamente e obterá o ritmo do ensino.

7. Minha experiência pessoal

Admito que tive um pouco de sorte na minha escola. Todos os professores são extremamente amigáveis ​​e a escola era muito branda nos meus dias de férias. Pude viajar para 17 novos países durante meu período de ensino por mais de 18 meses e tirei 6 a 7 dias de doença sem precisar de uma consulta médica.

Minha escola não seguiu um livro, então criei todos os meus planos de aula a partir do zero. Mas como mencionei antes, usei o Waygook.org como meu principal recurso para idéias e modelos de jogos.

Minha escola – Yangjin Middle School – ficava na área rural de Anseong, a cerca de 70 quilômetros ao sul de Seul, na província de Geyonggi-do. Eu tinha aproximadamente 700 alunos e era o único estrangeiro em toda a minha escola e um dos únicos estrangeiros na minha cidade.

Eu ensinei 18 classes diferentes de mais de 35 alunos. Eu lecionava cada aula uma vez por semana, então via todos os alunos da escola exatamente uma vez por semana.

A parte mais difícil do ensino foi se ajustar ao nível de inglês de cada classe. Por exemplo, em uma classe, eu teria filhos que poderiam ter uma conversa completa comigo e outros que não poderiam ler o alfabeto. Isso ocorre porque alguns estudantes frequentam uma academia particular (hagwan) depois da escola todos os dias para estudar mais inglês, enquanto outros não praticam fora da escola.

Portanto, era difícil encontrar o nível “mediano” de inglês para garantir que todas as crianças aprendessem alguma coisa. Normalmente, apenas jogava, mostrava vídeos para eles e tentava entretê-los o máximo possível. (Sim, o trabalho foi tão fácil quanto parece.)

A maioria dos meus alunos era adorável e respeitosa. Fiz uma conexão pessoal com muitos deles e eles realmente me consideravam um exemplo. Foi um sentimento muito especial.

Percebi que meu único trabalho não era ensinar inglês, mas ajudá-los a entender como é a vida fora das fronteiras da Coréia. A maioria dos meus filhos nunca havia conhecido um estrangeiro antes e nunca havia saído da Coréia, então me procuraram e me fizeram muitas perguntas sobre a cultura americana.

Minha cidade era muito rural e eu era um dos únicos estrangeiros no meu bairro. Eu era literalmente uma celebridade na minha cidade, porque toda vez que saía de casa, encontrava meus alunos e eles gritavam do outro lado da rua para dizer “OLÁ, PROFESSOR DE PROFESSOR !!” Além disso, todos nos restaurantes e supermercados locais me conheciam.

Se você quiser saber mais informações sobre minha cidade, consulte esta postagem chamada “Como é viver e trabalhar na zona rural da Coréia”.

Para saber mais detalhes sobre o meu trabalho, consulte este post chamado “Um dia na vida de um professor de inglês”.

Eu também tirei um tempo para Aprender coreano, o que foi um grande benefício para mim, pois morava na Coréia. Eu recomendo que você faça um esforço também.

Meus alunos são tão adoráveis ​​que todos me escreveram cartas e tiraram fotos minhas durante minha última semana de ensino. Aqui estão alguns dos meus favoritos ^^

8. Vida na Coréia

A Coréia do Sul é um país muito amigável para se viver para estrangeiros. Também é extremamente seguro. Tão seguro que a polícia não carrega armas e grandes crimes como assassinatos, tiroteios e roubos são praticamente desconhecidos.

Tudo o que você ouve sobre a Coréia do Norte nas notícias é falso, e são apenas os meios de comunicação que tentam chamar a atenção e criar uma história. As coisas são facilmente desproporcionais na mídia. Ninguém na Coréia do Sul fala sobre seus vizinhos do Norte porque sabem que é uma piada, e ninguém aqui se sente ameaçado por eles. Sempre que pergunto aos meus alunos sobre Kim Jong Un, eles começam a rir e começam a tirar sarro dele.

A Coréia do Sul é um país muito densamente povoado. O país inteiro é do tamanho do Mississippi e é o lar de 50 milhões de pessoas. Apenas para reiterar esse ponto ainda mais – pegue toda a população da Califórnia e Nova York e joguei tudo no Mississippi, e isso é como a população da Coréia.

Então, a princípio, você se sentirá sobrecarregado (especialmente em Seul), porque há muita coisa acontecendo ao mesmo tempo. Mas é apenas uma questão de tempo até você se estabelecer e chamar a Coréia de sua nova casa. Para mim, isso levou cerca de um mês.

O povo coreano é um dos mais amigáveis ​​que eu já conheci. A maioria dos meus amigos é coreana local, porque fiz um esforço para encontrá-los. Você perceberá que muitos coreanos são tímidos e difíceis de abordar, mas geralmente são aqueles que não pode falar inglês. Por outro lado, aqueles que lata falar inglês é mais extrovertido e disposto a conhecê-lo. Muitas das minhas melhores amigas eram coreanas, e eu também namorei algumas meninas coreanas durante o meu tempo.

Transporte público na Coréia é o mais eficiente do mundo. É bizarro como é fácil se locomover.

Existem 5 tipos de sistemas de transporte:

a) trens KTX – estes são conhecidos como “trens-bala”. São os trens mais rápidos e mais caros da Coréia. Você pode ir de Seul a Busan em 3 horas (que é todo o comprimento do país, de norte a sul). A viagem de ida e volta de Seul a Busan custa cerca de US $ 60USD. Nem toda cidade grande tem estação KTX, então você deve verificar para ver.

b) Trens regulares – estes são comuns e muito mais baratos que o KTX. Eles conectam todas as cidades da Coréia. Da minha cidade, leva 40 minutos para chegar a Seul e custa apenas US $ 3,50.

c) Metrô – o metrô de Seul é o mais extenso sistema de metrô do mundo, o que significa que ele cobre a maior parte do solo (mais de 85 quilômetros). Existem 18 linhas diferentes, 622 estações e transporta mais de 20 milhões de pessoas todos os dias. Você pode levar isso para chegar a qualquer lugar da área metropolitana de Seul, mas fica MUITO lotado durante o horário de pico. Até minha cidade de Pyeongtaek estava no metrô, ainda levaria 3 horas para chegar a Seul.

d) Ônibus – Não subestime os ônibus na Coréia – eles são incríveis! Eu uso mais ônibus do que trens para dar a volta. Todas as rodovias na Coréia têm uma “faixa de ônibus” praticamente livre de tráfego. Além disso, os ônibus são muito mais confortáveis ​​que os trens e geralmente mais baratos.

e) Táxis – Os táxis estão em toda parte em Seul e são muito baratos! Eu costumo pegar táxis em Seul porque é muito mais rápido e fácil de se locomover. Custa cerca de US $ 5-7 para um passeio de 15 a 20 minutos. Especialmente se você tiver mais de uma pessoa, pegue um táxi para evitar o metrô lotado.

Para reservar passagens de trem e ver rotas (em inglês), veja este site.

* Você pode comprar um cartão de metrô chamado “T-Money”, que pode ser usado no metrô e nos táxis de Seul. Leve-o na sua carteira com você o tempo todo e apenas adicione dinheiro dentro da estação de metrô ou em uma loja conveniente como 7/11.

9. Cultura coreana

Levará algum tempo para se adaptar à cultura coreana, porque é muito única.

Você pode se sentir desconfortável nos primeiros dias após a chegada, porque as coisas não serão como você está acostumado. Estou aqui há 18 meses e ainda ganho algo novo todos os dias sobre o estilo de vida coreano.

A primeira coisa a saber sobre a cultura coreana é a importância da família. Essencialmente, os coreanos passam muito tempo com a família e o tempo para a família sempre acontece antes da hora de brincar. Na mesma linha, os coreanos são muito bons em mostrar respeito por outras pessoas – especificamente pessoas mais velhas que eles.

A seguir, apresentarei algumas das maiores distinções culturais em tópicos:

– O idioma coreano tem diferentes conjugações de dialeto e verbo ao falar com seus amigos versus falar com alguém mais velho
– Quando você cumprimenta alguém mais velho que você, é necessário se curvar (quanto mais velha a pessoa, mais profundo o arco)
– Se alguém mais velho que você oferece uma chance ou comida, você deve
– Se você der ou receber algo de uma pessoa mais velha que você, DEVE usar as duas mãos
– Se você atirar em alguém mais velho que você, deve virar as costas e enfrentar o outro lado
– K-Pop (música pop coreana) domina o cenário musical, e todos os adolescentes e jovens adultos são obcecados com as músicas
– Os restaurantes coreanos tradicionais não têm cadeiras. Você deve sentar no chão e comer. Isso também é verdade em muitas casas coreanas. Sempre tire os sapatos.
– Muitos casais coreanos usam as mesmas roupas (jaquetas, sapatos, meias, mochilas, etc.)
– Os coreanos têm medo do sol e querem ser o mais brancos possível (como oposição a serem bronzeados). Você verá muitas pessoas tirando seus guarda-chuvas em um dia ensolarado para se protegerem.
– Os coreanos têm um estilo muito bom e gostam de se vestir bem, mesmo que estejam apenas fazendo compras. Garotas coreanas sempre usam sapatos de salto alto.
– Os coreanos têm maneiras ruins, como cuspir dramaticamente nas ruas públicas e engolir alto macarrão
– É quase impossível encontrar uma lata de lixo na Coréia (não me pergunte por que)
– Sim, os coreanos comem alimentos bizarros, como carne de cachorro, polvo vivo, insetos, sopa de sangue de vaca e pés de galinha. Eu tentei todos eles. Confira este vídeo meu comendo um polvo ao vivo inteiro em Seul em uma mordida!

10. Vida noturna em Seul

Ah! Minha seção favorita neste artigo inteiro! Se você já leu meu blog antes, provavelmente já sabe o quanto eu (literalmente) adoram a vida noturna de Seul, e por que eu acho que é a cidade número 1 no mundo.

De fato, a postagem mais popular que já escrevi sobre The Hungry Partier é chamado de “Guia definitivo para discotecas em Gangnam”. Nesse post, recomendo todos os meus clubes favoritos em Gangnam e converso sobre a vida noturna em Seul. Nos últimos 3 meses, este post foi visto mais de 20.000 vezes!

* O restante deste post falará especificamente sobre a cena das boates em Gangnam *

Quando o sol se põe em Seul, a cidade se torna elétrica. Letreiros de néon malucos povoam todos os prédios (é como Vegas usando esteróides) e garrafas de soju começam a aparecer em restaurantes e bares. Soju é um licor de arroz muito popular na Coréia, que é a bebida alcoólica mais consumida no mundo (62 milhões de casos foram vendidos em 2014). Tem gosto de vodka diluída e vem em uma garrafa de vidro verde. A melhor parte? Custa apenas US $ 1 por garrafa!

Todo fim de semana durante meus 18 meses na Coréia, fui a Seul para festejar. A única vez que fiquei na minha cidade no fim de semana foi quando estava doente. Nem consigo explicar como me diverti em Seul. Foi o momento mais louco da minha vida!

Existem 5 áreas principais para a vida noturna em Seul, conforme explicado em detalhes abaixo:

1. Itaewon

Itaewon é o distrito estrangeiro de Seul, mas também é tendência para jovens coreanos de meia-idade. Aqui, você encontrará vários bares (alguns elegantes, outros casuais), além de várias boates e pubs. A mistura saudável de estrangeiros e moradores locais confere à Itaewon uma sensação única, sempre cheia de energia.

2. Hongdae

Hongdae é a área de vida noturna mais badalada e cheia de gente de Seul. Em qualquer noite da semana, vá até Hongdae para ver as melhores tendências e moda coreanas da melhor forma. Toda a área é mais ou menos um campus universitário, porque existem 4 grandes universidades ao redor.

Tudo em Hongdae é muito mais barato que em outras partes de Seul, porque os locais atendem aos orçamentos dos estudantes. Em Hongdae, há mais bares e discotecas do que posso contar e está sempre lotado de pessoas até de manhã. Muitos vendedores ambulantes de restaurantes coreanos de churrasco ficam abertos 24 horas, por isso, certifique-se de beber alguma coisa depois da noite!

3. Sincheon

Sincheon é como uma extensão de Hongdae, porque fica a apenas uma estação de metrô. Tem uma vibe de faculdade semelhante. As ruas de Sincheon estão repletas de milhares de jovens de 18 a 22 anos e há várias atividades para fazer lá.

Há uma faixa principal com a maioria dos bares e clubes que são baratos e divertidos. É sempre uma boa idéia começar a noite em Sincheon e depois seguir para Hongdae para um pouco mais de diversão.

4. Apgujeong

Ao contrário dos bares baratos de Hongdae e Sincheon, Apgujeong é um bairro caro e moderno de vida noturna localizado próximo a Gangnam. Rodeo drive é onde toda a loucura acontece, com alguns dos clubes mais caros e hotéis de luxo em Seul.

Se você não estiver com um orçamento estrito, vá a Apgujeong para jantar e beber antes de ir para Gangnam (mas prepare seriamente suas carteiras).

5. Gangnam 🙂

Como ficou famosa pela música “Gangnam Style” de Psy, essa área é o distrito número um das boates luxuosas e elegantes de Seul, que são absolutamente insanas. Dozens of multi-leveled clubs with massive dance floors and top-notch sound systems can be found scattered around the area.

Gangnam is compared to the “Beverly Hills” of Los Angeles with it’s wealth and fashion. Basically, this is where all of the celebrities and rich folks hang out and spend ridiculous amounts of money, but as of lately, it is beginning to trend for young 20-somethings who want to party all night.

If you want to do some serious clubbing in Seoul, then definitely go to Gangnam and read my post to prepare you!

11. Resources

In this section, I will share with you some important resources that you can use for meeting people and finding out things to do in Korea.

This category is broken down into 4 sub sections:
– Popular blogs in Korea
– Learning Korean
– Meeting People
– My Korean-related Blog Posts

a) Popular Blogs in Korea

Eat Your Kimchi – Simon and Martina, a Canadian couple, moved to Korea in 2008 to teach English and have been blogging about it ever since. On their website, they share awesome things about Korean culture from the best eats to the hottest K-Pop songs and everything in between.

Seoulistic – Seoulistic is a very informative culture and travel site for people who are coming to Korea and looking for things to do and places to explore Korea.

Seoul Searching – My friend Mimsie – An American expat whose been living in Seoul for 6+ years – covers everything related to Korean culture and her experience here. She has phenomenal travel guides to nearly every big city in Korea. What sets her apart from the rest is her creativity and perspective that is really interesting to read.

A Fat Girls Food Guide – My friend Gemma writes about all the best non-Korean foods to eat in Seoul! Her mouth-watering reviews cover Thai to India restaurants and everything in between.

The Soul of Seoul – This blog is written by an American expat named Hallie, who is married to a Korean rockstar and who has been living in Korea for 8 years. Her blog is very informative and she writes a lot about festivals, foods and events in Korea.

Zen Kimchi– Joe has been entertaining the world since 2004 with his humorous exploration of Korean food and sharing survival tips for foreigners already there.

Seoul Eats – Dan provides excellent info on finding the best local foods in Seoul, and organizes cooking events and walking tours around the city.

b) Learning Korean

I cannot tell you how important it is to learn Korean – at least the basics. It will make your life SO much easier. I am conversationally fluent and my experience would not have been the same if I never tried to learn the language.

You can learn Hangul – the Korean alphabet – in just a few hours. There are 14 consonants and 10 vowels. It’s a phonetic language, meaning each letter/vowel always makes the same sound. Korean is much easier than its neighbors like Chinese and Japanese.

I started learning the Korean alphabet on my own by watching YouTube videos. I also paid for lessons on a website called Beeline Languages and it was really helpful.   I was able to read, write and speak basic conversation before I ever stepped foot on Korean soil.

When I lived in Korea, I practiced speaking with my Korean friends and I always pushed myself to read the signs around me. I used Korean everyday and made a strong effort to communicate and understand life around me. I also dated a Korean girl who didn’t speak any English, so that helped me a lot as well.

The best websites that I recommend for learning Korean are:
Beeline Languages
Talk to Me in Korean
Korean Class 101.

Beeline Languages can be purchased for $12 per month or you can do a deal for $6 per year.  They have nice videos which go over common words and phrases.  You will be able to speak from the very first lesson and you will improve fast.

Talk to Me in Korean is free, and they have PDF files that you can download with vocabulary and grammar. They also have nice videos on their YouTube Channel.

On the other hand, Korean Class 101 is a $200 annual fee, but it really helps you learn vocab and you listen to a series of podcasts and it’s very easy to understand. I did this for 6 months before I came to Korea and it was worth it!

c) Meeting People

The best way to meet people is to go into Seoul and hop around the bars and clubs. I met new faces every weekend that I was in Seoul, and my network of friends kept growing bigger every weekend.

But if partying isn’t your thing, then you should look into specific groups on MeetUp.com. You can find Meet Ups for anything you’re interested in, from sightseeing, dating, food, partying, hiking, language exchanges, painting, rollerblading, rock climbing, entrepreneurship and more.

There are also a number of Facebook Groups that you should become a part of. My favorites were Every Expat in Korea, Seoul Expats e Nightlife in Seoul. In these groups, there are always people posting meet ups around Seoul!

d) Me

As I’ve repeatedly mentioned, I am always happy to talk about Korea and share any recommendations with you. I am just an email away!

12) My advice to You

I have a lot of advice to give you before you move to Korea, so listen closely.

Half the people I’ve met who come to Korea LOVE IT, and the other half HATE IT. I’ve seen it time and time again, and it’s very easy to tell who will end up loving it and who can’t wait to get out.

If you take my advice in this section, then I can guarantee that you’ll love it as much as I did. I have listed my advice in order from #1 being the most important.

1) Step Out of Your Comfort Zone: If you’re wondering why I loved Korea so much, then this is the main reason that I can give you. I forced myself to step out of my comfort zone every day situations.

What do I mean by “Comfort Zone?”

I mean doing things out of the ordinary. Things that made me feel a bit uncomfortable. Things that felt awkward to me.

Mas adivinhem? You’ve already done the hardest part, which is choosing to come in Korea in the first place. This is the biggest step out of your comfort zone, so it is essential to maintain this mindset throughout your time here.

I trained to be a black belt in Taekwondo. I partied in Seoul every weekend, I met hundreds of new people, I became conversationally fluent in Korean, I traveled to dozens of cities in Korea.   I constantly kept myself busy and that’s why I loved Korea so much.

On the flip side, if you just go to school and then go home and lock yourself in your room, then you are going to be miserable. If you don’t go out of your way to make friends, then you are going to hate life. If you don’t get yourself involved in clubs and activities, then you will be counting down the days to leave Korea.

You must understand that Korean culture is not similar to any other culture that you’re used to. Everyday, you will be wondering what the hell is happening around you but you must be able to adjust and go with the flow. Korean culture can be very intimidating if you don’t make an effort to step out of your comfort zone.

2) Learn Korean: If I haven’t made it clear enough, it is so important to learn Korean. This can make or break your experience. Even if you suck at languages, you should still learn how to read and write, and learn basic phrases like “How much is this?” “Where is the bathroom?” “My Name is Drew.”

Learning the language also introduces you more into Korean culture and enables you to better make sense of life around you.

It’s really satisfying to understand what people are saying around you and having the ability to speak to Korean people in their native tongue.

Here was my farewell speech that I did to my entire school, only speaking in Korean:

3) Have a Side Project to Work on

You will have LOTS of free time on your job. I’m talking about several hours everyday to sit on your computer.

Instead of watching every season of Breaking Bad, you should consider making better use of your time by working on side projects like:

STARTING A BLOG!

I started my travel blog the day I moved to Seoul, and fully committed myself since day 1. In just 18 months after launching my site, I get 40K page views per month and I have 40K Social Media Followers. I am also making enough money from my blog to fund my upcoming travels around the world.

However, it does take a tremendous amount of work to make this happen. About 40+ Hours a week of blogging full time over the last year. If you want, you can absolutely do this too and become a professional blogger during your time in Korea.

But if you don’t like writing, or aren’t interested in blogging, then I suggest learning some new skills online or starting a business, as opposed to wasting your time watching TV Shows.

4) Be Flexible

Korean culture might drive you crazy sometimes. Your co-teachers will never warn you of changes until the last minute. I don’t know why they do this, but you must learn to adjust.

For example, my co-teachers would tell me minutos before school ended that I had to teach an after-school class that day.  But this can also work out in your favor too, like the time when my teachers told me that school was cancelled the night before.

So, don’t freak out when you’ve turned in your papers to teach English but you don’t get placed at a school until weeks before you arrive. Just understand that Koreans do everything last minute.

The best way to handle this is to have an open mind from the start, and prepare for everything. Learn to make adjustments when someone throws a curve ball at you, because it will happen quite often.

13. What to Pack?

Summers in Korea are really hot, and winters are brutally cold. All four seasons are prominent. You must pack clothes to prepare for to all weather types.

For school attire, you can generally keep it casual. Although during your first week at school, you should make a good impression by dressing up nicely (I wore a button down and slacks). But by the end of my term, I was wearing jeans and a V-neck.

You can find almost ALL toiletries and accessories in Korea, so don’t worry about bringing all of your cosmetics. The only things that you should stock up on is deodorant and any personal medications that you may need.   I don’t know why Koreans don’t wear deodorant, so bring enough to last you for one year. Also, girls have told me that Koreans don’t use normal tampons, so you might want to look into that if you are a girl.

You don’t need to overpack. If you forget something at home, then you can find it at one of the many Giant Shopping Malls in Korea. For all of my stuff, I only packed a big suitcase and a 40 liter travel backpack for all of my trips. If you are planning to go on backpacking trips around Asia, then you are definitely going to need a travel backpack. Eu uso o Osprey Porter 40 Liter and it’s great!

14. Interviews with Current Teachers

I figured that you are probably sick of only hearing about my experience, so I reached out to some fellow teachers and asked them questions about their experience teaching in Korea!  See interviews below.

Teacher #1. Morgan Sullivan

1. Which program are you on?

I am part of English Program in Korea (EPIK), a government run program that places teachers in public schools throughout Korea.

2. How did you find your job?

Several people had told me that teaching English in Korea and Japan were great opportunities for people who wanted to travel and make a decent living wage, so I started doing research via the internet and came across several blogs and websites that suggested teaching through EPIK. Once I had the name, I did some more searching, found the main website, and decided to apply.

3. What are your biggest takeaways from teaching in Korea?

It sounds a little bit corny, but I think my main takeaway is that attitude is everything. If you enter a situation with a positive attitude and an open mind, an entire world of amazing opportunities can open up for you. Starting completely from scratch and living in a country so drastically different from home is filled to the brim with challenges, and if you don’t take the time to manage your perspective those challenges can become overwhelming. No matter the situation – good or bad – your reaction and your attitude is 100% up to you.

4. What 3 pieces of advice would you give to newbies who are first arriving in Korea?

Learn as much Korean language as possible BEFORE you arrive in Korea

Do your research – There is a huge wealth of information (blogs, YouTube videos, forums) out there about people who have already taught in Korea, and their insight and experiences will be invaluable. They know about the culture, they know what it’s like to teach ESL, and they have already gone through all the hurdles and hoops that comes with being a new arrival.

Be a Yes Man/Woman – A willingness to try new things and go out of your comfort zone will enrich your experience exponentially. Try the food you can’t pronounce, explore the cities you’ve never heard of, and be open to giving anything and everything a chance. You don’t know what something is really like until you try it for yourself – for all you know it could be the best thing to ever happen to you 🙂

Check out Morgan’s awesome travel blog called A Beautiful View!

Thank you for reading this guide!!

I did my best to tell you everything I know about teaching in Korea and adjusting to the Korean lifestyle.  I hope that you all will make the right decision to teach and live in this amazing country.  Don’t forget to buy your TEFL class on this link!

And lastly, feel free to check out the muitos other blog posts I’ve written about teaching and living in Korea!  You can find all of them in this section of my blog, or see the most popular ones below:

– What It’s Like to Live and Work in Rural Korea
– A Day in the Life of an English Teacher
– 6 Damn Good Reasons to Visit Seoul
– 5 Reasons Why Seoul is the #1 Party City in the World
– How I Traveled to 17 Countries and Saved $3K
– 5 Ways I’ve Grown After 1 Year in Korea
– Gangnam Nightlife Guide
– Seoul (Itaewon) Nightlife Guide

Drew Binsky

A graduate from The University of Wisconsin-Madison, Drew Binsky has visited 190+ Countries since 2012.He first caught the travel bug while studying abroad in Prague, then taught English in Korea, and now he’s on a mission to visit every country on earth.Follow his journey on YouTube & Instagram @drewbinsky 🙂

Latest posts by Drew Binsky (see all)



Fonte: drewbinsky.com

Deixe uma resposta